Mistérios Dolorosos

Primeiro Mistério Doloroso: Agonia de Jesus no Horto

«Retirou-se Jesus com eles para um lugar chamado Getsêmani e disse-lhes: “Assentai-vos aqui, enquanto eu vou ali orar”. E, tomando consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu, começou a entristecer-se e a angustiar-se. Disse-lhes, então: “Minha alma está triste até a morte. Ficai aqui e vigiai comigo”. Adiantou-se um pouco e, prostrando-se com a face por terra, assim rezou: “Meu Pai, se é possível, afasta de mim este cálice! Todavia não se faça o que eu quero, mas sim o que tu queres”» (Mt 26, 36-39).

«Ora um tal combate e uma tal vitória só são possíveis pela oração. Foi pela oração que Jesus venceu o Tentador desde o princípio e no último combate da sua agonia» (CIC, 2.849)

Pai Nosso, 10 Ave Marias (meditando o mistério), Glória ao Pai.

Segundo Mistério Doloroso: Flagelação de Jesus

«Pilatos mandou então flagelar Jesus.Os soldados teceram de espinhos uma coroa e puseram-lha sobre a cabeça e cobriram-no com um manto de púrpura. Aproximavam-se dele e diziam: “Salve, rei dos judeus!”. E davam-lhe bofetadas» (Jo 19,1-3).

«Os sofrimentos de Jesus tomaram a sua forma histórica concreta, pelo facto de Ele ter sido “rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e pelos escribas” (Mc 8, 31), que “O entregaram aos pagãos para ser escarnecido, açoitado e crucificado” (Mt, 20, 19)» (CIC, 572).

Pai Nosso, 10 Ave Marias (meditando o mistério), Glória ao Pai.

Terceiro Mistério Doloroso: Coroação de Espinhos

«Os soldados do governador conduziram Jesus para o pretório e rodearam-no com todo o pelotão. Arrancaram-lhe as vestes e colocaram-lhe um manto escarlate. Depois, trançaram uma coroa de espinhos, meteram-lha na cabeça e puseram-lhe na mão uma vara. Dobrando os joelhos diante dele, diziam com escárnio: “Salve, rei dos judeus!”» (Mt 27, 27-29).

«É o “amor até ao fim” que confere ao sacrifício de Cristo o valor de redenção e reparação, de expiação e satisfação. Ele conheceu-nos e amou-nos a todos no oferecimento da sua vida » (CIC, 616).

Pai Nosso, 10 Ave Marias (meditando o mistério), Glória ao Pai.

Quarto Mistério Doloroso: Jesus carregando a cruz no caminho do Calvário

«Passava por ali certo homem de Cirene, chamado Simão, que vinha do campo, pai de Alexandre e de Rufo, e obrigaram-no a que lhe levasse a cruz. Conduziram Jesus ao lugar chamado Gólgota, que quer dizer lugar do crânio» (Mc 15, 21-22).

«Aceitando, na sua vontade humana, que se faça a vontade do Pai, Ele aceita a sua morte enquanto redentora, para “suportar os nossos pecados no seu corpo, no madeiro da cruz” (1Pe 2, 24)» (CIC, 612).

Pai Nosso, 10 Ave Marias (meditando o mistério), Glória ao Pai.

Quinto Mistério Doloroso: Crucifixão e morte de Jesus

«Chegados que foram ao lugar chamado Calvário, ali o crucificaram, como também os ladrões, um à direita e outro à esquerda. E Jesus dizia: “Pai, perdoa-lhes; porque não sabem o que fazem”…

Era quase à hora sexta e em toda a terra houve trevas até a hora nona. Escureceu-se o sol e o véu do templo rasgou-se pelo meio. Jesus deu então um grande brado e disse: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”. E, dizendo isso, expirou» (Lc 23, 33-46).

«”Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras” (1Co 15, 3)» (CIC, 619).

Pai Nosso, 10 Ave Marias (meditando o mistério), Glória ao Pai.